O Mundo dos Titãs

149

Autor: Edson Fernandes da Costa | Revisor:Danilo Nascimento da Silva

“Eu, Kyoran”

 

A Reunião foi tranquila apesar do que cheguei a pensar. Aiya, Yago, Yasmin, os Iluminados e todos os generais participaram incluindo o grupo de Aiya, como Hina, Baturiel etc… Até mesmo meus protetores. O escritório chegou a ficar cheio e quase pensamos em descer e fazer isso na cantina. Os Iluminados tinham dito que o Deus das Trevas se escondia em uma caverna profunda entre duas imensas montanhas, eles nos levariam até próximo ao local onde eles podiam chegar perto, o resto, nós teríamos que cumprir por nossa própria conta.

― Um ataque com mais de quatrocentos titãs, é impossível que dessa vez vocês não consigam cumprir um objetivo tão simples ― disse Arus olhando todos em volta.

― E por que vocês não vão conosco até o fim? ― perguntou Welek.

Arus teve que explicar sobre o bloqueio deles em se aproximar do esconderijo de Órion, assim como os Domínios não podem se aproximar das velas.

            Os Iluminados disseram que fora os Domínios nós teríamos que lidar com monstros e até algumas armadilhas enquanto invadíamos caverna adentro, era possível ter muita coisa nos esperando, eles deixaram bem claro que deveríamos tomar muito cuidado.

            Depois daquilo cada um dos líderes teve que conversar com seus homens e seus grupos. Ricardo pediu permissão de todos os demais para realizar algumas manobras e estratégias nos grupos dos titãs de cada princesa e príncipe, todos eles concordaram sem maiores problemas.

            Chegando o dia do ataque, todos saíram da cantina depois do café e nos reunimos no pátio, seria o momento final antes da partida para o ataque. Eu estava sempre nervoso com o coração pulsando forte por dentro, finalmente eu poderia salvar Akasha, depois fugir com Lilithi e ir pra qualquer lugar seja lá o que poderia fazer.

            No palanque eu subi junto com Aiya, Yasmin e Yago. Todos os titãs esperaram na frente, era um grupo enorme com um pouco mais de quatrocentos titãs. Até mesmo Hina iria participar, ela iria apenas como suporte. Roni e Rania, os irmãos Hazem e Welek, Baturiel, Ricardo, ninguém parecia que ia faltar a não ser os titãs que não escolheram ir e os abaixo da classe capitão. Yasmin foi a primeira a falar.

― Nunca podemos prever o resultado de uma batalha, não importa os números nem nossa força, por isso, desde o começo lutem a sério e não duvidem jamais da força dos nossos inimigos, o primeiro sinal da derrota vem quando subestimamos nossos adversários. Estaremos em maior número e nem por isso vamos deixar de tomar cuidado.Lutem sempre em grupos, como foi proposto por Ricardo e obedeçam as formações, usem essa vantagem para cobrir a desvantagem que teremos ao enfrentar os Domínios, até os mais poderosos podem cair sobre um perfeito ataque em grupo. Que seja essa a última batalha que teremos contra os Domínios ― disse Yasmin e os titãs bateram palmas.

Eu estava do lado dela quando ela deu um passo para trás me passando a voz. Eu fiquei a frente de todos eles e todos esperavam minhas palavras.

― Eu não sei porque todos acreditam tanto em mim, uma profecia parece ter sido criada a meu respeito e mesmo assim não me vejo sendo tudo isso, mas eu vou dar tudo de mim que puder para nos ajudar a conseguir essa vitória. Chegou a hora de darmos um fim ao reinado do Deus das Trevas ― disse e todos bateram palmas, eu vinha preparando um discurso há dias desde que Yasmin tinha me avisado que eu falaria com todos. Fiquei aliviado quando todos bateram palmas e eu pude dar um passo para trás. No fundo dos portões estavam o grupo dos Iluminados, Kaylla não me dava bola, fingia não estar interessada em mim e aquela vez em meu quarto foi a última que ficamos juntos. Arus estava desconfiado de nós e por isso ela não se atreveu a tentar qualquer coisa, apenas explicou isso a mim numa breve passagem pelo corredor ao qual pudemos trocar algumas rápidas palavras. O príncipe Yago deu um passo a frente e fez seu discurso e disse que todas as vidas eram importantes, como Yasmin disse, ele deixou claro que todos os companheiros entre si deveriam se ajudar, ninguém tinha permissão de morrer, disse que não éramos apenas números, cada um tinha sua história e elas deveriam continuar depois que tudo isso acabasse. Aiya também deu seu discurso. Ela disse que finalmente a hora chegou e que agora o Deus das Trevas pagaria por todo o mal que cometeu nessa vida.

Depois de tudo começamos a marchar. Os Iluminados seguiam na frente guiando a todos. Alguns titãs, um pouco menos que a metade, carregava uma bolsa contendo água e alimentos, o caminho seria longo e levaríamos pelo menos seis horas para chegar ao local.

            Durante o percurso em alguns pontos os Iluminados davam sinais e corriam usando seu poder titã. Então mantendo a formação os titãs acompanhavam correndo juntos. Quatro centenas de titãs corriam em pontos mais abertos como sombras de longe. Quando os caminhos se fechavam, voltávamos a andar, tínhamos que ter cuidado para não toparmos e machucarmos pessoas normais inocentes no processo. Isso levou mais de cinco horas até finalmente alcançarmos uma montanha.

― Vocês podem parar para comer aqui, agora falta pouco para chegarmos ― disse Arus se voltando a nós.

A maioria dos titãs não queriam comer, estavam nervosos demais. Arus não se preocupou com esses detalhes, ficou na roda com seu grupo mais a frente aguardando enquanto deveríamos estar comendo.

― Todos vocês, atenção! ― Yasmin disse mantendo as mãos na cintura. ― Alguns podem não estar com fome, outros nervosos demais para pensar em comer, ninguém luta bem de barriga vazia, esse pode ser o último momento que temos para comer em paz durante algum tempo, então comam mesmo que não queiram, a vitória depende de detalhes como estes ― com as palavras de Yasmin vários titãs que não estavam querendo comer começaram a mudar de ideia e iniciaram seus lanches.

― Com você eu acho que me casaria, você sempre sabe o que dizer no momento certo ― disse brincando olhando Yasmin se sentar ao meu lado mantendo um sorriso enquanto dava uma mordida no meu pão de carne, eu não tinha trazido bolsa, trouxe minha comida na aura. Na minha outra mão estava a garrafa de Esmeril, eu simplesmente amava essa bebida doce daqui, ela combinava quase com qualquer alimento.

― Meu pai ia gostar de ouvir isso, pena que não faço parte desse interesse familiar ― comentou ela mantendo sua seriedade.

― Você é sempre tão séria ― comentei.

― A vida não é uma diversão Kyoran, ela é sempre um jogo de incertezas, você nunca sabe o que é certo e o que não é ― disse ela de volta e começou a comer o pão dela.

― Se seu pai não me casar com uma de vocês o que acha que ele faria comigo? ― perguntei, eu ainda não tinha tirado da minha cabeça aquilo, minha conversa com Kaylla.

― Meu pai faz qualquer coisa para manter o reino poderoso, se você não for uma ameaça ele deixará você em paz ― disse ela meramente.

― Espero que isso seja verdade ― disse a olhando de lado.

Os titãs em volta comiam e conversavam em grupos, muitos estavam animados mesmo para o ataque enquanto outros pareciam ainda um pouco assustados.

― Você está com medo Kyoran? ― perguntou Yasmin depois de me analisar.

― Um pouco. E você não está? ― perguntei de volta.

― Estou, mas não deixo ninguém perceber, sugiro que faça o mesmo, nós somos os pilares desse ataque, se nós fraquejarmos nossos homens também fraquejarão.

― Tem razão ― disse pensativo. Aiya e Yago chegaram se juntando a nós.

― Estamos quase lá Kyoran, dessa vez você e minha irmã não lutarão sozinhos ― disse Yago me olhando com firmeza.

― Valeu, eu acho ― disse sorrindo de volta sem jeito. Eu percebi que Yasmin não parecia se importar com a presença da irmã e pelo que tinha ouvido falar as duas não se davam muito bem.

― Não imaginei que um dia estaria me preparando para isso outra vez, eu ainda não me sinto muito bem com tudo isso ― disse Aiya com uma expressão comum.

― Irmã, da primeira vez vocês perderam porque não estavam preparados, vocês foram guiados para a derrota nas mãos daquela deusa que fez vocês se apressarem, dessa vez nós tomamos nossas atitudes e o resultado será diferente ― disse Yasmin levantando o rosto para encarar a irmã que estava em pé.

Yago foi o primeiro a se sentar se juntando a nós. O Sol castigava do céu, estávamos todos reunidos sob a sombra da montanha acima de nossas cabeças.

― Este é o primeiro ataque massivo que nosso pai nos deixa fazer, reunir assim parte de três exércitos, ele está mesmo sério sobre querer por um fim ao Deus das Trevas ― disse Yago.

― Na sua opinião irmão, nós podemos vencer? ― perguntou Yasmin curiosa.

― Haverá algumas perdas porque os Domínios são fortes, mas eu não tenho dúvidas da nossa vitória, a não ser que haja uma armadilha gigantesca que engula a todos nós, o que acho bem difícil ― disse Yago mantendo a calma. ― É os Iluminados tinham falado sobre esses riscos ― concordou Yasmin.

            Depois daquilo continuamos por mais alguns minutos até chegarmos em um corredor entre duas montanhas, não era um corredor apertado, era algo espaçoso coisa de uns vinte metros, todo o chão estava coberto de uma lama escura que se espalhava daqui do começo até a ponta. Haviam várias carcaças de ossos de monstros por cima dessa lama, criaturas grandes e pequenas por todas as partes que seguia-se pelo caminho, ao fundo, podíamos ver uma pequena entrada de uma caverna, como ainda estava longe isso era tudo que tínhamos de visão no momento. Arus que seguia em frente com o braço direito estendido teve ele coberto por chamas sem nenhuma razão o que fez todos os titãs entrarem em modo de defesa. Todas as conjurações de armamento se iniciaram e até mesmo eu me equipei completamente. Arus apenas baixou o braço devagar, ele e os Iluminados não haviam se transformado, permaneciam calmos.

― Como vocês viram, é aqui que nos separamos, desse ponto em diante não podemos prosseguir ― explicou Arus, seu braço que a pouco tinha queimado continha algumas manchas de pele ferida, ainda fumaçava, estava vermelho e ele não parecia se importar com a dor, o fogo já tinha passado uma vez que ele baixou o braço e deu um passo para trás, Carlos, Kaylla e os outros apenas ficaram parados tranquilamente mais atrás dele.

― Agora é conosco, me sigam! ― disse Yasmin em alto tom tomando a frente dentro de sua armadura, ela levava seu escudo e espada em mãos. Eu olhei para os Iluminados, Arus ficou me olhando sério e Carlos abriu um sorriso de lado me encarando também, Kaylla apenas moveu a boca falando sem soltar um som, como se me mandasse ter cuidado, os outros não pareceram perceber. Então me virei e segui os titãs correndo e tomando meu lugar a frente. Estávamos finalmente chegando no esconderijo de Órion e meu coração cada vez se esquentava mais. Aquele corredor entre as montanhas foram preenchidos com vários titãs, todos armados até os dentes e prontos para qualquer coisa.

            Nós ainda estávamos na metade do caminho quando um homem de pele morena escura saiu caminhando de dentro da caverna, ele usava uma calça azul velha bem desgastada com vários buracos, pés descalços e peito nu, tinha uma corrente que parecia de búzios em seu pescoço e no meio dos búzios tinha umas três caveiras de prata, seus cabelos eram escuros, enrolados e curtos. A aparição dele fez com que todos os titãs parassem, mesmo de longe eu pude ver as duas estrelas alinhadas no meio de seu peitoral magrelo, ele era um cara alto com olhos castanhos escuros.

― Fiquem todos atentos, estamos diante do segundo Domínio ― disse Yasmin firme.

Eu apertei os punhos das minhas duas espadas, estava pronto para começar.

            O Segundo Domínio abriu as mãos e estendeu os braços sobre a lama em sua volta. Aura amarela fluía sobre seus braços e saía pelas mãos se misturando a lama. Linhas de aura brilhantes e finas como agulhas correram pela lama do corredor e foram se espalhando como teias tomando várias direções, elas paravam sobre as carcaças que logo em seguida eram cobertas por lama, então várias dessas criaturas foram ganhando vida tendo lama como pele, elas logo se levantaram e começaram a rugir ameaçadoramente enquanto as linhas continuavam se espalhando dando vida a mais criaturas.

― Todos se preparem! ― gritou Yasmin. ― Ao ataque agora! ― Gritou ela ordenando que partíssemos.

Me juntei a Yasmin que seguia correndo a frente e já fomos de encontro as primeiras criaturas que tomavam nossa frente. Mesmo assim as linhas de aura ainda passavam por nossos pés procurando dar vida a outros corpos, eu mesmo sem ter certeza se aquilo me faria mal ou não evitei pisar em cima enquanto seguia contra os primeiros monstros. O corpo do Segundo Domínio começou a virar lama, ele se derretia e afundava junto com a lama até sumir completamente no chão.

― Mantenham a formação! ― gritou Ricardo do centro que segurava uma boa parte dos titãs, todos foram preparados esses últimos dias para lutar em grupos de sete a dez titãs, e foram até numerados, Ricardo fez isso durante o pouco tempo que teve. Eu corri com minhas lâminas cobertas com aura junto a Yasmin, nós dois nos esquivamos de um lagarto gigante que tentou nos morder, nos dividimos e cada um de nós atacamos dos dois lados rasgando e destruindo sua pele lameada enquanto ele gritava. Os outros titãs que formava o grupo com Yasmin saltaram e destruíram as costas dele por cima enquanto ela havia se distraído conosco, eu não tinha um grupo formado. Yasmin apenas pediu para eu me manter próximo a ela durante a batalha e eu estava obedecendo.

Os irmãos Roni e Rania estavam com Ricardo no centro da formação sempre de olhos em mim para o caso de emergência. As criaturas derrotadas viravam lama se desfazendo e outras carcaças eram tomadas e novas criaturas surgiam nos mantendo ocupados.

― Cuidado, esses são rachadores! ― gritou um dos titãs.

Quando me virei lá estavam as dez enormes criaturas varrendo suas frentes com suas grandes clavas de madeiras.

― Grupos sete, oito e nove preparar para combate! ― gritou Ricardo. A luta parecia seguir sem problemas contra esses monstros até o momento, então, uma neblina amarela que saía da lama começou a se espalhar atrapalhando nossas visões…